sábado, 2 de dezembro de 2017

(Crônica)


Havia um lugar mágico. Mágico por transformar a vida das pessoas que lá entravam e lá permaneciam. Pessoas ficavam mais magras, outras cresciam e todas elas ficavam muito felizes com isso. Nesse lugar, havia um camarada muito gente fina, simpático e extremamente sociável, por isso, no fim das contas, todas as pessoas interagiram com ele. Ele era um cara extremamente marcante, não só interagia com as pessoas sem dar uma palavra, como também interagia com seus corpos: com os ombros, braços, pernas, costas e, acreditem se quiser: até com a cintura dessas pessoas, no bom sentido, é claro! 

Todos, geralmente, reclamavam da dor do dia seguinte deixada por ele, mas muito interessante, nenhuma delas deixava de novamate ir visitar aquele amigo novamente, um dia depois de tê-lo visitado, mesmo sentindo dor.
Por que ele era tão querido? Talvez fosse a autoestima gradual que ele conferia as pessoas, o estresse do cotidiano que ele ajudava a extravasar, a felicidade em não estar parado ou, até mesmo, tudo isso junto, ou quem sabe, a companhia dele era só boa mesmo.
No fim das contas, ele era um ótimo amigo: nunca te deixando desocupado ou de mãos vazias. Seu nome era halteres.
Certa vez, quando fui nesse lugar, na academia, me deparei com uma cena que me deixou desconcertado: um garoto praticava seu treino com muita voracidade com o halteres. Ele simplesmente não parava, era como se nada, em todo o mundo, pudesse pará-lo e desviá-lo de seu foco. Ele passava por diversos equipamentos e corria numa cama elástica, com muito vigor, logo após acabar seus exercícios. Era muita garra, muito foco e força de vontade.
Isso me remeteu a forma com a qual eu devo agir em minha vida: com muita perseverança e vontade de fazer acontecer, por mais que a vida e o cotidiano sejam pesados e difíceis de se ultrapassar. Quando eu o perguntei como conseguia ser tão resiliente, ele me respondeu: “tenho um objetivo e o internalizei, isso é o bastante para mim.”
E, como foi para ele, foi o bastante para mim.


Nenhum comentário:

Postar um comentário