sábado, 2 de dezembro de 2017

Sonhos engarrafados (Crônica)


Certo dia, vi um homem que cultivava garrafas. Plantou uma árvore e, nos seus galhos, guardou sonhos mal pendurados e bebidas de outras noites. Comecei a questionar o porquê do hábito tão incomum, visto que a cena de uma árvore que dava garrafas parecia surpreender a todos que passam pela frente da casa do sujeito. Seriam as lembranças tão frágeis assim? Parei por um breve momento - que se estendeu mais do que o programado - e tentei me recordar de situações que já me ocorreram e que, por um determinado momento da minha vida, tiveram um significado e importância julgados infinitos por mim, mas que atualmente se tornam obsoletos diante de todas as outras memórias e experiências vividas nos tempos seguintes. Voltei os olhos para a árvore mais uma vez, e comecei a imaginar sobre o que cada garrafa ali contava. Um amor perdido, uma noite de boêmia, um bom jogo de dominó ou apenas um dia no qual a solidão assolou e foram necessários alguns goles para o sono conseguir chegar. É possível que uma garrafa pudesse guardar tantas lembranças?

Cansada e sem nenhuma resposta concreta, cheguei em casa e me deitei mais um pouco pra pensar sobre o acontecido. Por que deixei tantas lembranças de lado? Levantei, esvaziei uma garrafa e coloquei na janela. Quem sabe eu não esqueço dessa vez.

Beatriz Cruz
(Estudante de Letras) 

4 comentários:

  1. Adorei! A imagem e o texto tem muito em comum, acredito que se encaixe na crônica conto, a sacada das memorias com as garrafas foi ótima,amei.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Que tocante! Amei demais. Simples, profunda, completa.
    O texto por si só já está incrível, casado com a imagem... Tá sensacional!

    ResponderExcluir
  4. Amei a forma como a crônica foi escrita. Realmente maravilhosa. A imagem casou muito bem com o texto, e o filtro em preto e branco também ajudou muito a criar o clima lúdico do conto.

    ResponderExcluir