sábado, 2 de dezembro de 2017

Tempo Perdido (Crônica)

Nasce, cresce, trabalha, o tempo passa, morre. Esse é teoricamente ciclo da vida humana e, como uma boa amostra da espécie, estava cumprindo o meu papel.  Em mais um dia dos meus próximos 40 anos, acordei ás cinco horas. Ás cinco e um, chequei meu celular. Tomei meu banho ás cinco e trinta, chequei meu celular ás cinco e trinta e dois, comi rapidamente ás quinze para as seis, dirigi até o escritório ás seis. Perdi tempo, mas, uma hora de engarrafamento depois, cheguei ao escritório. Chequei meu celular ás sete e três. 

Foram nove horas digitando, checando o celular, tomando café preto para aguentar ficar acordado, lendo, recebendo e fazendo ligações e olhando para o relógio, rezando para o dia acabar antes que acabasse comigo. No fim do expediente, como era sexta-feira, tinha que ir ajudar uma filial da empresa em uma ilha perto de minha cidade. Peguei meu carro e fui até o Ferry-boat. Visitaria minha avó, que mora numa ilha perto de minha cidade.
Mais tempo perdido. Trinta e três minutos de engarrafamento, vinte e três minutos de fila para embarcar e, finalmente, entrei no barco. Sentei numa das cadeiras da embarcação, junto de mais seres humanos. Chequei meu celular, assim como todos que podia ver ao meu redor, exceto pelos que assistiam à televisão minúscula disponível.

Treze minutos de viagem e, quebrando o silêncio do lugar, surge um senhor com um violão. O violão estava com as cordas frouxas e sua voz esganiçada começou a embalar o tempo de viagem. Cantava algo de Legião Urbana como se estivesse fazendo o concerto do ano, com mais animação que alguém que ganhou na loteria. Passei a observá-lo, afinal, meu celular morreu (leia-se ficou descarregado). Aos poucos, alguns passageiros passaram a cantar as músicas com ele, outros só continuaram com o celular. Outros, até usaram o celular para registrar o momento pitoresco.
Passou-se algum tempo, não sei quanto, mas a viagem estava acabando. Então, cantor de Ferry-Boat pediu uma contribuição para o trabalho dele, ganhando algumas moedas dos passageiros que se alegraram com a intervenção. Aquele era o trabalho dele? Cantar loucamente para animar um par de pessoas num barco em troca de moedas? Ganhou mesmo na loteria. Enquanto todos os dias quando acordo, não tenho mais o tempo que passou, pareceu que ele tinha muito tempo, tinha todo o tempo do mundo.





Lara Rebeca da Mata Santa Bárbara – Graduanda em Letras Vernáculas com uma língua Estrangeira

Um comentário:

  1. Boa crônica. Promove uma interessante reflexão sobre a noção de tempo e como o aproveitamos no cotidiano (o que se faz pertinente ao se tratar em uma crônica). A intertextualidade foi muito bem utilizada. A foto está relacionada como o tema.

    ResponderExcluir